Meditação e Espiritualidade – Como emerge a espiritualidade a partir da meditação? | Arcturianos

Qual a diferença entre espiritualidade e religiosidade? Será possível comparar a prática da meditação entre o Oriente e o Ocidente? Como emerge a espiritualidade a partir da meditação?

Importa, desde já, desfazer um equívoco muito frequente: a identificação de religiosidade com espiritualidade. 

Enquanto as religiões fazem depender de um conjunto de regras dogmáticas a ligação do homem a Deus, ligação que não se estabelece sem a intermediação dos “representantes de Deus na Terra”, a espiritualidade convida a pessoa a ouvir a sua voz interior (seja qual for a designação que lhe atribua – Intuição, Eu Interior ou outra), a questionar, a refletir, a optar, a decidir por si.

Todos os seres humanos são potencialmente espirituais mas nem todos são religiosos.

Por outro lado, há crentes que não desenvolveram a espiritualidade que, supostamente, a sua religião preconiza. Mas porque, ao longo da história dos homens, a espiritualidade, a religião e a meditação se têm cruzado e, muitas vezes, entrelaçado, diluindo-se as fronteiras entre elas, interessa fazer uma brevíssima incursão neste domínio.

Ao longo dos tempos, muitas religiões adotaram práticas meditativas como instrumento de ligação a Deus.

A grande diferença entre o Oriente e o Ocidente reside no fato de que nas religiões orientais a prática foi sempre aberta e recomendada a todos os crentes tendo-se, desse modo, mantido viva e atuante ao longo dos séculos; já no ocidente ficou confinada aos mosteiros e conventos ou a grupos esotéricos seculares fechados e, não raro, clandestinos (o caso dos Cátaros).

Foi só nos anos 60 do século XX que o monge inglês beneditino John Main, entusiasmado com a experiência contemplativa que teve numa viagem ao Oriente, decidiu procurar um fundamento que justificasse a prática da meditação na Igreja Católica atual e encontrou-o na rotina dos padres do deserto, ascetas do século IV, que usavam a repetição de fórmulas curtas para se concentrarem em Deus.

Fundou, então, a Comunidade Mundial para a Meditação Cristã tendo afirmado que “A Igreja precisava de um método contemplativo que pudesse ser praticado por todos. Durante muito tempo, foi dito aos cristãos que a meditação estava reservada à vida monástica, mas hoje todos sentem necessidade de meditar.”

A presença de uma Igreja fortemente controladora durante a Idade Média e do seu braço punitivo – a Inquisição – desencorajou a prática da meditação no Ocidente.

No século XVII, o ressurgimento do Racionalismo desferia o golpe de morte nas ideias e práticas que contrariassem os fundamentos da filosofia dominante – a certeza, a demonstração, o raciocínio sem falha, a causa inteligível. Não me admira, pois, que a meditação tenha desaparecido do Ocidente durante tantos séculos. 

No século XIX, os Teosofistas adotaram o termo Meditação para designar as diversas práticas espirituais inspiradas nas religiões orientais.

Foi também no Oriente, concretamente na meditação budista, que o Ocidente não religioso se inspirou em meados do século XX tendo-a “importado” para ficar. De fato, a meditação expandiu-se de tal modo que os grupos de meditação, os cursos e as aulas de meditação se multiplicam por todo o mundo ocidental.

Quer seja para aquietar a mente e assim diminuir o stress, os níveis de ansiedade, para melhorar a concentração ou para coadjuvar a Medicina em vertentes tão diversas como a Psicoterapia, a Cardiologia ou a Oncologia, quer se procure o desenvolvimento espiritual, a meditação está em enorme expansão integrando o cotidiano de um número crescente de pessoas.

Considerando a acepção da espiritualidade como o conjunto das virtudes do espírito – amor, compaixão, solidariedade, generosidade, perdão e justiça, entre outros valores, conclui-se que todos podemos desenvolvê-la, porquanto dotados de espírito.

Espírito não significa divindade, mas antes autoconsciência, capacidade de reflexão sobre si mesmo.

O ser humano é, assim, um ser intrinsecamente espiritual, pois demonstra capacidade para refletir e para se transcender. Contudo, nem sempre a espiritualidade se expressa ou, quando se manifesta, pode fazê-lo de modo multiforme.

Enquanto meditamos, induzimos um estado de apaziguamento interior, de equilíbrio e de serenidade e conseguimos reunir os aspetos fragmentados do nosso ser. Rompemos com as estruturas habituais de pensamento, e acedemos à simplicidade original.

A prática diária da meditação resulta numa intensa abertura de consciência, no desabrochar da compaixão, de uma maior aceitação de nós mesmos e dos outros, numa aproximação à plenitude do nosso ser.

As palavras de grandes mestres de meditação e os testemunhos de quem medita regularmente dizem-nos que a meditação conduz ao despertar para o autoconhecimento e para a transformação interior que, por sua vez, levam à manifestação dos grandes valores humanos e espirituais e, por inerência, à conquista da realização espiritual.

Ao meditar, crescemos e adquirimos sabedoria.

Para concluir, transcrevemos as palavras cheias de significado de José Maria Alves:

“Meditar é, antes do mais, consciente abertura do espírito a si mesmo, ao mundo da natureza, aos outros e ao Universo. É uma presença atenta de cada momento, que não se identifica nem com um exame interior nem com a reflexão, em que com o tempo, a zona de silêncio do nosso cérebro – os 80 a 90% não utilizáveis – passa a cooperar no milagre da descoberta do nosso interior e do que nos envolve.”

 

REGINA FARIA
PROFESSORA DE MEDITAÇÃO
reginamoreirafaria@gmail.com
Revista Progredir


Leia também: Meditação e ascensão espiritual, os benefícios para o corpo e mente


 

 

Arcturianos

Arcturianos

O projeto Arcturianos tem como propósito reunir o máximo de interessados em aumentar as frequências de luz no sistema de nossos quatro corpos inferiores (físico, emocional, mental e espiritual) e elevar nosso quociente de luz até sua capacidade máxima. Vibre com a gente!
Arcturianos

Últimos posts por Arcturianos (exibir todos)

Quem compartilha também ajuda!