Notícias | Arcturianos
Mensagens que Emocionam apresenta leitura dos textos

Mensagens que Emocionam apresenta leitura dos textos

Um novo projeto está “pintando na Internet”: Mensagens que Emocionam. A diferença está nas leituras dos textos, o que não acontece em outros sites de mensagens. São mensagens selecionadas com a intenção nos fazer refletir sobre nós e a vida. Boas vibrações!

Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam…
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam.
Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pois pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências.

Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não para para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.
Portanto… plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!

 

Veronica Shoffstall

 

 

Mensagens que Emocionam

Felicidade: 5 visões diferentes para ajudar você a conquistá-la

Felicidade: 5 visões diferentes para ajudar você a conquistá-la

Viver bem e feliz! Talvez a maior busca da humanidade desde a sua existência. A felicidade envolve um conceito muito amplo que não pode ser expressado em breves palavras.

Ao longo da vida nos apoiamos na falsa ideia da felicidade, de que ela deve vir acompanhada do acúmulo de bens materiais, quando na verdade está nas pequenas coisas.

Não podemos negar que as pessoas necessitam de itens materiais básicos para viverem felizes. Afinal, bem-estar vem acompanhado de felicidade e vice-versa.

Ter um trabalho é indispensável para cobrir essas necessidades básicas que geram despesas. Ainda assim, também devemos ter consciência de que o material nem sempre cobrirá todas as nossas complexas necessidades enquanto seres humanos.

A felicidade não é algo que se encontra de maneira casual, tampouco é um estado momentâneo e efêmero.

A felicidade se constrói e é encontrada nas pequenas coisas, essas que podem ser aparentemente insignificantes.

Felicidade: 5 visões diferentes para ajudar você a conquistá-la


Felicidade e Budismo



Felicidade na visão do Budismo


O monge budista Matthieu Ricard, considerado “o homem mais feliz do mundo” acredita nessa ideia e quer que ela circule por aí.

Segundo ele, a felicidade deve ser entendida como um sentimento profundo de serenidade e realização que sustenta todos os outros estados emocionais. Eis 4 passos para entender e conquistar a felicidade:


1. Escolha transformar o seu sofrimento


Segundo o budista Matthieu Ricard, este “foco” só provoca o aumento da agonia. Quando um tema nos angustia é porque nossos pensamentos insistem em regressar à origem desta dor e é preciso tentar deixar de lado as emoções negativas para desenvolver as positivas.


2. Ter Tudo não é sinônimo de felicidade


A busca pela felicidade, muitas vezes, se dá de forma equivocada. Ela não está em “coisas”, ela não é algo que se irradia para fora de um ser, e não está ligada ao sentimento de prazer.

Na maioria das vezes, “ter tudo” é sinônimo de sucesso, de felicidade, de realização pessoal.

Mas, na visão de Matthieu, o “ter” é um grande perigo já que se houver algo que não se consiga ter, tudo ao redor pode desabar.

Para ele, o controle que temos sobre o mundo externo é muito vago, limitado, temporário e, frequentemente, ilusório.


3. Busque olhar para si, e não para o outro


Você pode estar no melhor lugar do mundo, com as melhores companhias, a melhor comida, a melhor cama, mas estar completamente infeliz.

Então, como é possível criar condições para que a felicidade aconteça? Como identificar os sentimentos que possam minar a felicidade?

Para Ricard, sentimentos tóxicos como ódio, raiva, inveja, arrogância, desejo obsessivo e ganância, deixam marcas depois que os experimentamos.

Além disso, são capazes de interferir na felicidade do outro. Então, por que não olhar para as condições internas de mudança, já que são mais fortes do que as externas?

A capacidade de mudança só existe porque os sentimentos são efêmeros, segundo Matthieu. Esta é a base de transformação da mente e o antídoto para estas emoções que minam o sentimento de bem-estar: não focar o objeto do ódio, por exemplo, e focar no interior, para dissolver este sentimento tantas vezes até que, caso surja de novo (e sabemos que vai), ele apenas passe pela mente e não deixe marcas.

A ideia é, por meio de um comportamento altruísta, você consiga praticar a compaixão e se familiarizar com uma nova forma de ser e de perceber a realidade à sua volta.


4. Conheça e transforme a sua mente: medite!


Matthieu disse em entrevista à revista Galileu que não considera o budismo uma religião: “Não perdemos tempo discutindo Deus. A questão é irrelevante.

Buscamos saber como a mente funciona. Precisamos refinar a percepção de nossa realidade.

E é aí que o papel da meditação entra. Segundo ele, uma mente mais tranquila responde melhor aos desafios da vida, impostos pelo cotidiano, enquanto as emoções descontroladas levam ao caminho oposto ao equilíbrio e a serenidade.

O ódio, a inveja, a raiva ou a arrogância são sentimentos que minam a felicidade.

Segundo ele, quanto mais aprendemos a lidar com estes sentimentos de forma passageira em nossa mente, podemos ser como o mar: por mais que as ondas fiquem inquietas por cima e tempestades ocorram, o fundo do oceano não muda, continua intacto.

Lembra daquela história de “para ser grande, sê inteiro”, de um dos poemas de Fernando Pessoa? É mais ou menos isso.


Felicidade e Psicologia



Felicidade na visão da Psicologia


Segundo Daniel Gilbert, professor de psicologia da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, que estuda a felicidade há mais de duas décadas, conceitua a sensação de bem-estar: “É difícil dizer o que é, mas sei quando eu a vejo. É simplesmente se sentir bem”.

Em suas pesquisas e livros sobre o tema, Gilbert mostra o que teimamos em não perceber no dia-a-dia: a felicidade não é uma sensação eterna, é um estado de êxtase, daqueles que se atingem nos momentos de extremo prazer.

Estar feliz ou triste é um ir e vir. Apesar de difíceis, os processos de infelicidade também funcionam como um momento para amadurecer, pensar e repensar as atitudes, os projetos.


Felicidade e Filosofia



Felicidade na visão da Filosofia


Muitos filósofos fizeram estudos e análises sobre a felicidade. Para Aristóteles, filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande, a felicidade é equilíbrio e harmonia, conquistados com a prática do bem.

Para Epicuro, filósofo grego do período helenístico, a felicidade se manifesta por meio da satisfação dos desejos.

Pirro de Élis, filósofo grego, nascido na cidade de Élis, considerado o primeiro filósofo cético e fundador da escola que foi chamada de pirronismo, acreditava que a felicidade se dava através da tranquilidade.

Mahavira, último dos 24 Tirthankaras do Jainismo, é considerado o fundador ou reformador desse sistema religioso, carregava consigo a concepção de que a ausência de violência é um dos elementos principais para atingir a felicidade plena.

Lao Tsé, mítico filósofo e alquimista chinês, por exemplo, diz que a felicidade poderia ser conquistada tendo como exemplo a natureza.

Já para Confúcio, pensador e filósofo chinês do Período das Primaveras e Outonos, acreditava que a felicidade era a harmonia entre as pessoas.


Religião e Felicidade



Felicidade na visão da Religião

Santo Agostinho, um dos mais importantes teólogos e filósofos dos primeiros anos do cristianismo disse, no século IV, que todos nós certamente merecemos viver em felicidade.

“Se você costuma acreditar em uma entidade superior ou divina, está mais perto desse estado de espírito.”

O Centro Nacional de Pesquisa de Opinião divulgou uma pesquisa sobre o nível de felicidade entre norte-americanos.

Para quem se sente “extremamente perto de Deus”, 40% alega estar extremamente feliz.

As pessoas que dizem não estar “nem um pouco perto de Deus”, o nível de felicidade desce para 24%.

O mesmo estudo ainda revelou que um em cada três católicos, judeus ou protestantes está muito feliz.


Felicidade e Espiritismo



Felicidade na visão Espírita


Como já disse Divaldo Pereira Franco: “O grande desafio da criatura humana é a própria criatura humana”, ou seja, o nosso grande desafio somos nós mesmos, nosso autoconhecimento.

Sabemos que não somos somente aparência material, física. O ser humano é pré-existente ao corpo e a ele sobrevive.

Através desse conceito é que conseguimos entender nossos enigmas, as problemáticas do inter-relacionamento, da dor, do desamor.

Allan Kardec, diz no Evangelho Segundo o Espiritismo, que a felicidade não é deste mundo.

Não quis ele, afirmar que aqui é um vale de lágrimas, mas sim, que este mundo é uma escola. E como toda escola, existe a disciplina e quem não respeita estas disciplinas precisa ser reeducado, repete de ano, no nosso caso, precisa voltar, reencarnar, recomeçar.

A felicidade tem uma conotação diferente para cada criatura, de acordo com nível intelectual de cada um.

Por estarmos a maioria, ligados ao material, muitos condicionam a conquista da felicidade à aquisição de bens materiais, outros ancoram o sonho da felicidade na busca da fama, do sucesso, do poder, para outros a felicidade está associada à inexistência de problemas, e a lista prossegue sem fim.

Temos que lembrar que a vida não é um problema, é um desafio.

Ela nos apresenta oportunidades de crescimento, nos setores que mais necessitamos. Por detrás dos problemas existem lições, desafios, tarefas. E a grande ventura tomará conta de nós quando vencermos os obstáculos que a vida nos apresenta.

Fontes: Budismo Petrópolis, Alto Astral, Mente Maravilhosa, Grupo Allan Kardec, Viva Bem e Feliz

E para você, qual a melhor maneira de ser feliz?

Desejo e Necessidade, o olho maior que a barriga

Desejo e Necessidade, o olho maior que a barriga

Na filosofia, o desejo é uma tensão em direção a um fim que é considerado, pela pessoa que deseja, uma fonte de satisfação.

É uma tendência algumas vezes consciente, outras vezes inconsciente ou reprimida.

Quando consciente, o desejo é uma atitude mental que acompanha a representação do fim esperado. Enquanto elemento apetitivo, o desejo se distingue da necessidade fisiológica ou psicológica que o acompanha por ser o elemento afetivo do respectivo estado fisiológico ou psicológico.

Tradicionalmente, o desejo pressupõe carência, indigência.

Um ser que não carecesse de nada não desejaria nada, seria um ser perfeito, um deus.

Por isso, Platão e os filósofos cristãos tomam o desejo como uma característica de seres finitos e imperfeitos.

Tradicionalmente, os filósofos viram o Bem como o objeto do desejo. Atualmente, isso é questionado.


 

Osho – Necessidades e desejos

 


Os desejos são muitos, as necessidades são poucas. As necessidades podem ser satisfeitas; os desejos, nunca.

Desejo é uma necessidade que enlouqueceu. É impossível satisfazê-lo. Quanto mais você tentar satisfazê-lo, mais ele pedirá.

Conta uma história sufi que, quando Alexandre morreu e chegou ao paraíso, ele estava carregando todo o seu peso: todo o seu reinado, ouro, diamantes – é claro que não em realidade, mas como uma ideia.

Ele estava demasiadamente oprimido pelo fato de ser Alexandre. O guardião do portal do paraíso começou a rir e perguntou: “Por que você está carregando tanto fardo?”

Alexandre retrucou: “Que fardo?”. Então o guardião lhe deu uma balança, em um dos seus pratos colocou um olho e pediu a Alexandre para colocar no outro prato todo o seu peso, sua grandeza, seus tesouros e o reinado.

Mas aquele olho ainda permaneceu mais pesado que todo o reino de Alexandre.

O guardião disse: “Esse é um olho humano. Ele representa o desejo humano e não pode ser satisfeito, não importa quão grande seja o seu reino e quão intensos sejam os seus esforços.”

Depois, o guardião jogou um pouco de poeira no olho, que imediatamente piscou e perdeu todo o seu peso.

Uma pequena poeira de entendimento precisa ser jogada no olho do desejo.

O desejo desaparece e permanece somente a necessidade, que não é pesada.

As necessidades são muito poucas e são belas.

Os desejos são feios e transformam os seres humanos em monstros; eles criam loucos.

Assim que você começar a aprender a escolher a serenidade, um pequeno quarto será suficiente, uma pequena quantidade de comida será suficiente, poucas roupas serão suficientes, uma pessoa amada será suficiente.

 

Osho

Deus é contra ou a favor da Homossexualidade e Bissexualidade?

Deus é contra ou a favor da Homossexualidade e Bissexualidade?

Quando encarnamos é como se entrássemos num palco para interpretar um papel. E quando desencarnamos é como se a cortina fechasse e a interpretação terminou.

Daí, retornamos ao plano espiritual de onde viemos, para nos preparar para um novo retorno e uma nova interpretação.

 

E nesta nova interpretação poderemos trocar de raça, posição social, nacionalidade, sexo, família, etc.

 

Então, podemos dizer que, nesta atual encarnação uma mulher não É mulher, ela ESTÁ mulher.

Um homem não É um homem, ele ESTÁ homem.

Um negro não é negro, ele ESTÁ negro, ETC.

Os homens que se acham ofendidos ao ver um homossexual precisam entender que, podemos encarnar várias vezes num mesmo sexo, por exemplo, num corpo feminino.

 

Daí, quando encarnamos num corpo masculino, trazemos na lembrança espiritual, as sensações, os desejos, os costumes de quando usávamos um corpo feminino.

 

E assim acontece o contrário também. Podemos encarnar várias vezes num corpo masculino e quando trocamos de corpo numa nova encarnação, guardamos a lembrança de quando éramos um homem.

Por isso vemos mulheres masculinizadas e homens afeminados. Quando aprendermos isso, veremos que todo racismo, preconceito e discriminação são bobagens.

 

O grande problema é o preconceito religioso que diz que Deus é contra a homossexualidade.


AFINAL, DEUS É CONTRA OU A FAVOR?


 

Deus não é contra nada, Ele entende que estamos em evolução e, consequentemente, aprendizado.

 

Podemos dizer apenas que Ele é a favor do livre arbítrio.

 

Então, deixem que cada um use seu livre arbítrio e preste contas de seus atos com a lei Dele. A nós cabe apenas perguntar: SERÁ QUE MEUS ATOS AGRADAM DEUS?

Afinal, vemos tantas pessoas contrariando a BÍBLIA e nem por isso são perseguidos como os homossexuais.

Moisés escreveu leis para conter os abusos do povo da época e uma delas proíbe a homossexualidade (Levítico, 20:13), mas também escreveu outras leis.

 

EXEMPLO: Quem trabalha no sábado será morto (Êxodo, 35:2), filhos desobedientes e rebeldes, que não ouçam pais e se comprometam no vício, serão apedrejados até a morte (Deuteronômio, 21: 18-21), É proibido comer carne de porco, lebre ou coelho (Levítico, 11: 5-7), Deficientes físicos estão proibidos de aproximar-se do altar do culto, para não profaná-lo com seu defeito (Levítico, 21: 17-23), Os adúlteros serão apedrejados até a morte (Deuteronômio, 22: 22), etc.

 

Quem segue estas leis? Creio que ninguém, não é? Até porque, Jesus veio para mostrar que a lei que devemos seguir são os 10 mandamentos. Estes sim são leis de Deus recebidas por Moisés.

Tanto é verdade que a lei ESCRITA por Moisés diz que o homossexual deve ser punido com a morte. E a 6ª lei RECEBIDA por Moisés no Monte Sinai diz “NÃO MATARÁS.

 

O que precisa é que os homossexuais e os heterossexuais se comportem de forma que não se comprometam com a lei divina.

 

Dentro da responsabilidade, do equilíbrio, sem desrespeito com seu corpo, sem querer impor seu comportamento ao outro, fazendo bom uso da sua sexualidade, sem promiscuidade ou afrontamento aos que pensam e agem diferente de nós.

Só através do auto-respeito e do respeito ao outro ganharemos respeito.

 

Então, chega de preconceito! Preconceito gera violência.

 

Muitas pessoas não estão defendendo a Bíblia, estão defendendo seu PRECONCEITO.

Amemos o próximo como ele é e como Jesus nos amou e ama, apesar dos nossos defeitos.

Amar não significa aceitar, mas respeitar. Respeitar é um ato de amor.

Jesus sabia o defeito das pessoas e nem por isso as discriminou ou desrespeitou, pelo contrário, conviveu com elas.

 

Texto de Rudymara | Grupo de Estudo Allan Kardec

 

 

 

Song of the Sea – A Canção do Oceano – Desenho Animado Incrível!

Song of the Sea – A Canção do Oceano – Desenho Animado Incrível!


A Canção do Oceano é um filme em animação irlandês de 2014 produzido pela Cartoon Saloon e dirigido por Tomm Moore. Dois irmãos perdem a mãe e precisam encontrar uma maneira de viver sem ela.

O segredo está nas lendas que ela contava e na concha mágica que ela deixou, que toca a música do mar para encantar as criaturas e despertar o amor e a união entre as crianças.

 

Na história, Ben aguarda ansioso o nascimento da irmãzinha, mas pouco antes de dar a luz a mãe some, sobrando apenas a bebê Saoirse.

 

Apesar de ser um garoto de bom coração, Ben se torna amargurado pela perda da mãe e falta de carinho do pai, tendo como amigo apenas o seu cão.


A Canção do Oceano


Quando Saoirse completa 4 anos, luzes misteriosas aparecem e guiam a menina até um baú de onde ela retira um casaco branco.

 

Ao vesti-lo e entrar no mar, Saoirse se transforma em uma foca.

 

Quando a avó se dá conta do que aconteceu, resolve levar as crianças para a cidade grande a fim de impedir que essa situação ocorra mais vezes.

Ben resolve fugir da casa da avó e, com Saoirse em seus calcanhares, não demora para descobrir que a irmã na realidade é uma selkie, ser mitológico do folclore irlandês que vive como uma foca.


Desenho A Canção do Oceano


Sua irmã precisa ajudar as fadas a voltarem a sua forma natural, pois quase todas se transformaram em pedra, enquanto é perseguida pelas corujas da bruxa Macha.

A história é muito bem desenvolvida e prende do inicio ao fim.

 

O elo de Ben com seu cãozinho e a expansão do amor entre irmãos é lindo.

 

Visualmente nem se fala. Os traços no velho estilo 2D podem sugerir simplicidade, mas tudo foi desenhado nos mínimos detalhes e cada frame é uma obra de arte.

A trilha é encantadora; o toque final para envolver completamente o telespectador.

Não é a toa que concorreu ao Oscar de melhor animação em 2015, perdendo infelizmente para Operação Big Hero.


 

Fonte Entrelinhas Fantásticas

Veja também no YouTube, pago.

Você encontra gratuitamente na Internet.

 

Deva Premal, música quântica com mantras antigos budistas e sânscritos

Deva Premal, música quântica com mantras antigos budistas e sânscritos

Deva Premal (nascida em 2 de abril de 1970 em Nuremberg , Alemanha) é conhecida por sua música meditativa da nova era espiritual.


Em suas músicas ela coloca mantras antigos budistas e sânscritos, além de cantos em outras línguas.


Premal conheceu seu parceiro na vida e na música, Miten, no Osho International Meditation Resort, em Pune , na Índia, em 1990, onde estudava reflexologia, shiatsu, terapia cranio-sacral e massagem.


Eles estão viajando juntos desde 1992, oferecendo concertos e oficinas em todo o mundo. 


Seus álbuns superaram os gráficos da Nova Era em todo o mundo desde seu primeiro lançamento, The Essence (1998), que apresenta o “Gayatri Mantra”.


A gravadora de Premal e Miten, Prabhu Music, reporta vendas acima de um milhão de álbuns.


Deva Premal começou sua jornada com o mantra ainda no ventre de sua mãe, enquanto seu pai cantava o “Gayatri Mantra” – um dos mantras mais sagrados de Sanatana Dharma.



Deva Premal trouxe essa jornada com o círculo completo de “Gayatri Mantra” até julho de 2005, quando ela e Miten o cantaram para seu pai enquanto estava morrendo.


“Nós cantamos até que de repente o monitor mostrou que ele estava prestes a partir. O último som que ele ouviu quando ele passou foi seu amado “Gayatri Mantra”.


Os cânticos de Deva Premal foram usados em uma grande variedade de configurações nos últimos anos.

Cher apresentou a versão de Premal do “Gayatri Mantra” em sua Farewell Tour e a bailarina da dança Diana Vishneva dançou na série FLOW de Moisés Pendleton.

O ator/diretor Edward James Olmos disse ter entregue cópias de Premal “Gayatri Mantra” para todo o elenco e equipe de Battlestar Galactica. O Sr. Olmos também usou “Om Hraum Mitraya” de Deva (2005) para fechar seu filme na HBO, Walkout.

Deva Premal e Miten se apresentaram para o Dalai Lama durante uma conferência de 2002 em Munique, na Alemanha sobre “Unidade na Dualidade”, que trouxe os principais membros da comunidade científica junto com membros da comunidade budista.


Eles deram um concerto para a conferência completa, e também foram convidados a cantar para o Dalai Lama em uma pequena reunião pré-conferência.


O lançamento de Deva Premal, Mantras tibetanos para tempos precários (2010), foi gravado com os monges Gyuto do Tibete (que são conhecidos por sua tradição de canto de som, também descritos como “cântico cordial”), e foi criado como suporte para a prática de meditação, com oito mantras cantados 108 vezes cada.

É um CD beneficente, com todos os ganhos revertidos para o Mosteiro de Gyuto em Dharmsala, Índia, para os Projetos Phowa e Veggiyana.


Deva Premal e Miten usam um processo de “seleção natural” para escolher os mantras em seus álbuns.


Premal disse que ela gravita em direção aos mantras sânscritos, em vez de mantras de outras línguas. Para ela, retirar o ego da compreensão do mantra permite que o processo criativo exprima o verdadeiro significado do mantra.


“Nosso objetivo é estar aberto à Deusa da música – ser fiel a nós mesmos, como músicos, como “professores”;  como parceiros e, finalmente, como indivíduos. Nós nos vemos como mensageiros de uma tradição de 5.000 anos de idade, então, nossa parte no processo é simplesmente mostrar e cantar “.