Alexandre Consolim | Arcturianos
Em busca da Felicidade

Em busca da Felicidade

“Por que buscamos a felicidade se nunca a encontramos, senão dentro de nós mesmos?”

• A Origem:

Existiu um grande sol que um dia explodiu e, a partir daí, tudo foi se formando. E ao explodir pequenas partículas de si mesmo foram arremessadas para bem longe, em outros mundos e outras moradas.

Assim somos, pequenos fragmentos de luz em busca de nossa origem, nosso lar, pequenas partículas de um todo maior.

• Separação, solidão:

Ao se separarem do grande sol, essas pequenas partículas de luz se esqueceram de sua origem, de que realmente são e incorporaram sentimentos de solidão e separação.

A essa separação podemos chamar de queda do paraíso, a separação do todo. Ao se separarem, também se dividiram em dois aspectos ou duas partículas distintas, Yin e Yang (feminino e masculino).

• Aspecto dual como força criadora:

Essa separação e solidão fizeram com que cada partícula de sol procurasse se preencher, seja por matéria seja por sentimentos.

A sensação de separação os faz querer juntar às outras pessoas:

a) Seja por complemento Yin e Yang:

Diz respeito ao aspecto dual como força criadora, duas partículas se fundindo para formar e criar outra partícula ou vida.

Ao nos fundirmos a outra temos um lapso de memória de quando éramos unos com a fonte.

b) Seja por complemento de aprendizado:

Diz respeito ao aprendizado que recebemos e passamos com as experiências obtidas por outras partículas sobre suas descobertas do que é a felicidade, seria o compartilhar, se fundir através de experiências e vivencias.

• Busca Horizontal da vida:

A partir daí, essa pequena luz começou a contar o tempo de sua viajem para que pudesse colher materiais e vivencias nesse novo mundo.

Busca-se a felicidade no outro, no carro novo, na casa própria, no dinheiro, no trabalho, mas no fundo não os preenchem e sempre querem mais.

O tempo passa, envelhecem na matéria e ainda continuam com uma inquietação enorme.

Essa inquietação os faz adentrar cada vez mais na matéria, tentar vos preencher de algo que esqueceram, de sua origem, da fonte primordial.

Também buscam no outro, que se torna o sentido da felicidade, da expectativa, do estar unidos, completos.

Mas porque nunca se completam? Cada vez que buscam a felicidade num sentido “horizontal”, nunca vos preenchereis, ficarão incompletos, fracos e perdidos.

É como que se essa partícula de sol, de luz fosse se apagando dia a dia e daí procurasse outras partículas para se acender, se iluminar. Se iluminar com a luz do outro.

• Busca Vertical da Vida:

A pequena luz agora, depois de tantas experiências e buscas da felicidade, teve um lampejo de consciência. Essa inquietação a faz querer saber da sua origem.

Dizemos iluminação ou consciência Divina, também como despertar espiritual, como busca do sentido da vida.

Quando isso ocorre começamos a perceber que nada nos preenche, nada o que esta fora de nós.

Paramos de procurar a felicidade fora de nós como se fosse uma coisa ou algo, em tudo que nos rodeia, ou pelo outro, mas sim na Presença Divina em nós mesmos.

Começamos rumar na direção da luz maior do grande sol. Começamos a nos sentir satisfeito, preenchidos, úteis e vivos.

A busca “vertical” nos causa medo, a principio mais solidão, mas, a partir do momento que encaramos a verdade o medo e a solidão desaparecem.

Essa busca nos faz livre de qualquer coisa que criamos como forma de busca horizontal da felicidade, o véu se cai e com ele as mascaras.

Ela nos possibilita de uma forma natural vivenciar o desapego diante das vivencias a que escolhemos assumir.

P. E como é essa busca vertical?
R. É buscar a si mesmo;
É conhecer a si mesmo;
É amar a si mesmo;
É confiar em si mesmo;
É se preencher por si mesmo.

P. Mas como é esse “si mesmo”? Parece um tanto egoísta. Não somos partículas de Deus?
R. Sim.
R. Então, buscar a si mesmo é na verdade buscar a Deus, o Poder, o Amor, a Abundancia, a Felicidade plena dentro de nós mesmos, no Todo.

P. Mas se eu buscar a Deus não ficaremos sozinhos como se acha aqui na terra?
R.Quando buscar a si mesmo, verás que no outro também existe essa tal da felicidade depositada, nunca estarás sozinho, pois estarás conectado com tudo verdadeiramente.

• Alguns Tópicos (Resumo)

Busca Horizontal

1. Disputa de energia: roubo, brigas, manipulações, bloqueios, anulação.
2. Sentimentos: egoísmo, presunção, superioridade, inferioridade, tristeza, solidão.
3. Relacionamentos de dependência: com pessoas, coisas, idéias ou situações, apegos, posses, vícios.
É buscar na fonte de uma maneira horizontal, ou seja, não da fonte, mas de uma grande ilusão.

Busca Vertical

1. Soma de energia: reconstrução do mundo e visão como um todo, compartilhamento dos dons e qualidades da alma, solidariedade, trabalho altruísta, companheirismo, cooperativismo, unidade, evolução.

2. Sentimentos: aceitação, amor universal, felicidade, preenchimento, respeito pelo outro, individualidade.

3. Relacionamentos de independência: compartilhamento da vida, com pessoas, coisas e ou situações sem apego ou posse, é a verdadeira liberdade das coisas temporárias, é vivenciar com amor o agora.

A vida nos mostra dia a dia que a felicidade esta nas coisas mais simples.

No compartilhar, amar, ser útil, agradecer, sorrir.

Não é errado buscar as coisas, as realizações dos sonhos etc, mas apenas quando isso se torna maior que a busca de Deus.

Não é errado buscar alguém, mas sim quando você busca alguém para se preencher e não para compartilhar.

Não é errado ter bens materiais, mas quando os bens se tornam prioridade, dominando a vida do Ser causando desgraças e guerras.

Afinal, de que forma você pretende buscar a felicidade? Deixe nos comentários.

Diálogo com o Instrutor Serapis Bey

Diálogo com o Instrutor Serapis Bey

Cada vez mais se rompe o véu da inconsciência.

Alexandre: Como cooperamos com nosso planeta?

Instrutor: Tudo na vida é vibração, tudo que vibra tem sua irradiação.

Vós como seres humanos tem sua própria irradiação, vibração e som particular.

Cada ser individualizado vibra numa freqüência própria, isso por causa das camadas de acúmulos de corpos, pensamentos e emoções.

O trabalho que vos foi dado a realizar é ultrapassar as barreiras do ego, seus corpos, pensamentos e emoções. Chegando assim na fonte criadora em vós, Deus onipresente pulsando em tudo.

Cada ser recebe de certa forma, certo grau dessa fonte, outros por quase nada.

Mas todos a tem em si. Isso chamamos irradiação tonal, por ser vibração e som.

Cada ser com sua nota chave.

Todo aquele que muito se fecha, e permanece em seus corpos, pensamentos ruins e emoções desenfreadas e negativas, vão perdendo a irradiação.

Há uma inversão da polaridade da energia, a pessoa se torna escura.

Necessitando assim roubar mesmo que inconsciente a energia dos demais e até mesmo impregnando o plano espiritual psíquico com forças de natureza inferior.

Mestre Jesus tinha sua irradiação. Buda a sua própria e tantos outros que chegaram até a fonte.

Alexandre: Mas então não somos apenas um?

Instrutor: Como seria tão repetitivo em criar coisas iguais.

Tudo provém da mesma fonte o que muda é a embalagem e o destino da fonte. Digamos os dons e as tarefas.

Jesus o Dom do Amor.
Buda o Dom da iluminação, do caminho do meio.

Compreende?

Jesus e Buda são a mesma irradiação. Como vocês e tantos outros seres. O que muda é a tarefa, o destino da energia, o Dom.

Quando tu chegas perto cada vez mais dessa fonte, quanto mais você alcança o centro mais essa irradiação aumenta.

É a presença do criador em vós manifestando todo seu potencial.

Isso ajuda em muito a todos e seu planeta, não precisamos dizer que nesse momento se faz a luz.

As trevas vem da inconsciência, da prisão física, limitação egoica.

O ser que desperta faz vibrar tudo em sua volta em outras frequências.

Assim é o despertar, assim é vossa libertação e vossa iluminação. O caminho sempre foi dentro é sempre será, não há outro.

Alexandre: E os dons que você poderia me dizer?

Instrutor: Veja um pássaro, quem não fica maravilhado com seu voo e sua compostura.

Voar é seu Dom e o que o faz voar é sua irradiação embora ele não saiba disso.

Vocês sim, são capazes de saber, de terem consciência disso.

Uma flor tem sua irradiação e seu Dom.

Ela mostra sua beleza, seu olor, isso é seu Dom e a irradiação é que alimenta esse Dom.

Entende?

Existem pessoas que tem o Dom de curar.

É apenas um Dom a irradiação é que faz a cura, que faz curar.

Alexandre: Então me diga o que é essa irradiação?

Instrutor: Não basta eu falar a você, basta que tu possas senti-la em você para que possas trabalhar seu Dom.

A irradiação é a vida pulsando em cada ser e em cada forma, é o amor, é Deus. Então compreendam, só existe um ser em tudo e vários dons ou que podemos chamar tarefas.

Por isso meus caros irmãos!

Vos pergunto quem são vocês?

São irradiação da mesma fonte. Busquem dentro de si mesmos, percebam que não existem diferenças, não existem inimigos, não há estranhos.

Vocês todos formam uma grande camada de vida material manifesta.

Parem de vez com tanta desordem a que se submeteram em achar diferenças aonde não existem.

Os problemas são vocês que criam, suas rivalidades são vocês que criam; vocês matam, ferem.

Isso é inconsciência, é o inferno, as trevas.

Não esperem lugares apropriados; as trevas e o paraíso estão bem dentro de vós.

Iluminai vosso pensar, vosso sentir, aproveitem para trabalhar vossos dons, sua irradiação para salvar esse mundo da destruição causadas pelas partes separadas de vocês mesmos.

Isso é vossa tarefa.

Que assim seja vosso amigo e irmão na luz: Serapis Bey  (mestre ascensionado do 4º Raio).
Mensagem canalizada por: Alexandre Consolim.